fbpx

Programação
do Congresso

Clique abaixo no dia desejado para ver a programação completa

07:50 – 08:00 – ABERTURA DO CONGRESSO

08:00 – 09:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | IMAGENOLOGIA MAMÁRIA

08:00 – 08:15 – Como rastrear a população de maior risco

  • Questão 1: Qual intervalo? Qual sequência de exames?
  • Questão 2: No cenário das mutações deletérias
  • Questão 3: No cenário das pacientes com antecedente pessoal de câncer de mama (mastectomia/Conservadora)

08:15 – 08:30 – Rastreamento mamário: devemos individualizar pelas características populacionais?

  • Questão 1: Influência da ancestralidade e condições geográficas na apresentação do câncer de mama
  • Questão 2: Impacto das características populacionais na apresentação tumoral
  • Questão 3: Aplicação prática desta informação na definição do modelo de rastreamento

08:30 – 08:45 – Papel das novas tecnologias no rastreamento mamário

  • Questão 1: Mamografia sintetizada pode substituir a digital (COMBO)?
  • Questão 2: Mamografia com contraste: qual seu papel no rastreamento?
  • Questão 3: RM abreviada: quais as vantagens? Em que situações pode ser realizada?

08:45 – 09:00 – Discussão

09:00 – 10:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | IMAGENOLOGIA MAMÁRIA

09:00 – 09:15 – Qual papel da RM no câncer de mama inicial?

  • Questão 1: Em que situações há indicação?
  • Questão 2: Quais as limitações atribuíveis ao realce de fundo?
  • Questão 3: Como minimizar os falsos positivos?

09:15 – 09:30 – Análise crítica dos achados de imagem da axila (MMG / US / RM / PET)

  • Questão 1: Importância dos achados de imagem na axila clinicamente negativa
  • Questão 2: Interpretação dos achados da axila pós tratamento sistêmico
  • Questão 3: Qual melhor abordagem diante de linfonodos suspeitos: PAAF x CORE x Não Biopsiar?

09:30 – 09:45 – Qual importância da densidade mamária na propedêutica?

  • Questão 1: Como pode comprometer a sensibilidade dos diferentes métodos diagnósticos
  • Questão 2: Como interpetrar seu impacto no laudo e manejar
  • Questão 3: Como escolher a mellhor estratégia de seguimento neste contexto

09:45 – 10:00 – Discussão

10:00 – 10:30 – Intervalo

10:30 – 11:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE ROCHE

11:00 – 12:00 – SESSÃO DE CASOS CLÍNICOS | COMO MANEJAR OS DESAFIOS DOS EXAMES DE IMAGEM

12:00 – 13:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE EINSTEIN

13:00 – 15:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | TRIPLO NEGATIVO – Apresentação Caso Clínico TN

13:00 – 13:15 – Classificando os tumores triplo negativos

  • Questão 1: Como reconhecer os diferentes subtipos pela biópsia?
  • Questão 2: Como os dados anatomopatológicos se correlacionam com resposta ao tratamento sistêmico?
  • Questão 3: Quais os marcadores prognósticos mais importantes? Papel dos receptores de androgênio?

13:15 – 13:30 – Mastectomia ou cirurgia conservadora nos tumores iniciais TN?

  • Questão 1: Impacto da idade nesta decisão
  • Questão 2: Impacto da presença de mutação deletéria na radicalidade cirúrgica
  • Questão 3: Deveríamos estender a indicação da radioterapia no TN?

13:30 – 13:45 –  Porque indicar neoadjuvância nos TN operáveis?

  • Questão 1: A partir de qual tamanho indicar neoadjuvância nos TN 1-2 cm?
  • Questão 2: Significado da resposta patológica completa nos triplo negativos.
  • Questão 3: Como manejar doença residual pós quimioterapia.

13:45 – 14:15 – SIMPÓSIO SATÉLITE MSD

14:15 – 15:00 – Discussão do caso clínico apresentado

15:00 – 16:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE GENOMIC HEALTH

16:00 – 16:30 – Intervalo

16:30 – 18:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | QUALIDADE DE VIDA E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA – Apresentação Caso Clínico

16:30 – 16:45 – Medidas comportamentais na redução do risco de câncer de mama

  • Questão 1: Evidências da atividade física como fator de proteção: quanto e qual modalidade protege
  • Questão 2: Importância do controle de peso: qual orientação ideal?
  • Questão 3: Álcool x câncer de mama: o que é permitido?

16:45 – 17:00 – TRH x câncer de mama: o que estamos falando em 2020?

  • Questão 1: Papel da reposição hormonal na incidência do câncer de mama (incluindo bio-idênticos)
  • Questão 2: Papel da testosterona e impacto no aumento do risco
  • Questão 3: Papel dos contraceptivos hormonais

17:00 – 17:15 – Como manejar os sintomas urogenitais pós-tratamento do câncer de mama

  • Questão 1: Como devemos abordar?
  • Questão 2: Tratamento medicamentoso da atrofia vaginal: o que é permitido?
  • Questão 3: Papel do laser e novas terapias locais no tratamento da atrofia vaginal

17:15 – 18:00 – Discussão do caso apresentado

18:00 – 19:00 – PAINEL EXPERTS COM PALESTRANTES INTERNACIONAIS

APRESENTAÇÃO DE CASOS CLÍNICOS TRAZIDOS PELA PLATEIA

19:00 – 20:00 – CERIMÔNIA DE ABERTURA DO CONGRESSO

08:00 – 10:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | GENÉTICA – Apresentação de Caso Clínico

08:00 – 08:15 – Teste genético em pacientes diagnosticadas com Câncer de Mama: o que precisamos saber?

  • Questão 1: Pra quem solicitar?
  • Questão 2: Qual teste solicitar? Quantos genes avaliar?
  • Questão 3: Impacto da decisão de testar sem aconselhamento genético prévio

08:15 – 08:30 – Como lidar com VUS e mutações não BRCA1/2?

  • Questão 1: Em que situações o VUS pode impactar na decisão do tratamento?
  • Questão 2: Em quais mutações não BRCA as cirurgias profiláticas estariam indicadas?
  • Questão 3: Como orientar os familiares das pacientes portadoras de mutação?

08:30 – 08:45 – Quando recomendar mastectomia redutora de risco?

  • Questão 1: No cenário das pacientes com mutação (incluindo as previamente tratadas com quadrantectomia +
    radioterapia)
  • Questão 2: No cenário alto risco sem mutação
  • Questão 3: Na mama contralateral

08:45 – 09:15 – SIMPÓSIO SATÉLITE MSD

09:15 – 10:00 – Discussão do caso clínico apresentado

10:00 – 10:30 – Intervalo

10:30 – 11:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE ROCHE

11:00 – 12:00 – SESSÃO DE CASOS CLÍNICOS | MANEJO DO CÂNCER DE MAMA INICIAL

Caso clínico: 51 anos, CDI mama HER2 pos 2,1 cm grau II, RH pos (forte expressão), LN neg
Caso clínico: 43 anos, pré-menopausa, CDI mama T1cN1, grau II, RH pos (forte expressão RE e RP), HER2 neg
Caso clínico: 56 anos CDI mama triplo negativo 2 cm, GN2, axila clinicamente negativa

12:00 – 13:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE AGENDIA

13:00 – 14:30 – SESSÃO CIENTÍFICA | QUIMIOTERAPIA NEOADJUVANTE EM CÂNCER DE MAMA – Apresentação Caso Clínico

13:00 – 13:15 – Quando começar operando?

  • Questão 1: Quais as pacientes não se beneficiam da quimioterapia como tratamento primário?
  • Questão 2: Qual a importância do conhecimento do subtipo molecular?
  • Questão 3: Quando não operar tumores iniciais

13:15 – 13:30 – Como planejar a extensão da cirurgia pós quimioterapia?

  • Questão 1: Quais exames são necessários e em que intervalo (rotina do serviço do palestrante)
  • Questão 2: Estratégia para marcação do tumor na mama: como e em que momento?
  • Questão 3: Quando não fazer cirurgia conservadora?

13:30 – 13:45 – Manejo da axila pós quimioterapia neoadjuvante

  • Questão 1: Segurança Oncológica em Linfonodo Positivo: CLIP vs NOT CLIP
  • Questão 2: Manejo das micrometástase/ITC no anátomo-patologico final (congelação negativa): devemos sempre
    reabordar com nova cirurgia?
  • Questão 3: É seguro sem dupla marcação? Em situações com menos de 3 linfonodos marcados?

13:45 – 14:00 – Radioterapia pós neoadjuvância: podemos individualizar?

  • Questão 1: Como definir planejamento radioterápico: pelo estadiamento inicial ou pela patologia final?
  • Questão 2: No cenário de N1: quando a radioterapia pode substituir o esvaziamento axilar?
  • Questão 3: No cenário de escalonamento sistêmico (Capecitabina, imunoterapia, TDM1), o que muda na indicação da radioterapia!

14:00 – 14:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE LIBBS

14:30 – 15:00 – Discussão do caso apresentado

15:00 – 15:30 – Intervalo

15:30 – 16:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE ONCOCLÍNICA

16:30 – 18:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | SITUAÇÕES QUE DESAFIAM O MASTOLOGISTA – Apresentação de Caso Clínico

16:30 – 16:45 – Em quais situações devemos indicar radioterapia pós mastectomia

  • Questão 1: No cenário da NSM
  • Questão 2: Nos tumores N1 até 3 linfonodos comprometidos
  • Questão 3: Na presença de componente intraductal extenso

16:45 – 17:00 – Tratamento cirúrgico da recorrência local

  • Questão 1: No cenário da cirurgia conservadora: há espaço para nova quadrantectomia?
  • Questão 2: Quando abordar axila na recorrência na mama?
  • Questão 3: Há espaço para novo sentinela na recorrência pós mastectomia?

17:00 – 17:15 – Qual papel do tratamento sistêmico hormônio-quimioterápico nas recorrências locais?

  • Questão 1: Quando devemos fazer quimioterapia na recidiva local isolada?
  • Questão 2: Qual impacto dos diferentes subtipos moleculares?
  • Questão 3: A informação da cirurgia axilar impacta nesta decisão?

17:15 – 17:30 – Quando indicar radioterapia nas recorrências locais?

  • Questão 1: No cenário da mastectomia sem radioterapia prévia. Sempre
  • Questão 2: Nas cirurgias conservadoras, papel da re-radioterapia.
  • Questão 3: Qual papel das novas tecnologias na toxicidade da radioterapia? Quando é indispensável no tratamento da mama?

17:30 – 18:00 – Discussão do caso apresentado.

08:00 – 09:15 – SESSÃO CIENTÍFICA | PATOLOGIA BENIGNA

08:00 – 08:15 – Manejo da mastite crônica granulomatosa

  • Questão 1: Apresentação e diagnóstico diferencial
  • Questão 2: Tratamento
  • Questão 3: Seguimento e evolução

08:15 – 08:30 – Biópsias mamárias: identificando a melhor estratégia

  • Questão 1: Quando indicar biópsias em lesões provavelmente benignas (BIRADS 3)
  • Questão 2: Quando indicar: PAAF X CORE x Mamotomia x Biópsia excisional?
  • Questão 3: Manejo das lesões papilíferas

08:30 – 08:45 – Quando operar lesões de alto risco nas biópsias percutâneas

  • Questão 1: Quais são as lesões onde a discussão da cirurgia faz sentido e em quem não faz?
  • Questão 2: Quais as lesões de alto risco onde a excisão completa com biópsia a vácuo pode resolver?
  • Questão 3: Como identificar o risco de subestimação?

08:45 – 09:00 –  Manejo cirúrgico das lesões não palpáveis

  • Questão 1: Carvão x fio x Roll
  • Questão 2: Como planejar cirurgia melhorando obtenção de margem segura?
  • Questão 3: Melhor método para abordar lesões intraductais e microcalcificações suspeitas

09:00 – 09:15 – Discussão do caso apresentado

09:15 – 10:00 – CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE-ESCALONAMENTO DA CIRURGIA DA MAMA: O QUE DEVEMOS FAZER EM 2020 E O QUE AINDA ESTAMOS FAZENDO DEMAIS?

09:45 – 10:00 – Discussão

10:00 – 10:30 – Intervalo

10:30 – 11:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE

11:30 – 12:30 – SESSÃO DE CASOS CLÍNICOS | DOENÇA BENIGNA

12:30 – 13:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE

13:30 – 14:00 – TRABALHOS CIENTÍFICOS | MELHORES TRABALHOS – PREMIAÇÃO

14:00 – 15:30 – MESA REDONDA | ONCOPLÁSTICA: CIRURGIA CONSERVADORA E ONCOPLASTIA

14:00 – 14:15 | Caso 01 – Alternativa a mamoplastia: papel dos retalhos locorregionais

  • Questão 1: A mamoplastia oncologica sempre é necessária?
  • Questão 2: Quais as principais alternativas a mamoplastia oncologica
  • Questão 3: Resultados e videos curtos

14:15 – 14:30 | Caso 02 – Oncoplastica extrema: alternativas a mastectomia

  • Questão 1: Existe maneira de evitar mastectomia em lesões extensas
  • Questão 2: Seguro oncologicamente
  • Questão 3: Técnicas e vídeos curtos

14:30 – 14:45 | Caso 03 – Cirurgia conservadora e implante

  • Questão 1: É possível conservar o implante ou devemos trocá-lo?
  • Questão 2: Mamoplastia de aumento e cirurgia conservadora: quais resultados?
  • Questão 3: Resultados e relação com radioterapia

14:45 – 15:00 | Caso 04 – “Disarter of the masters”: evitando e tratando complicações em cirurgia oncoplastica conservadora

  • Questão 1: Casos de complicação em mamoplastias e retalhos locais
  • Questão 2: Como evitar as complicações
  • Questão 3: Tratamento das complicações

15:00 – 15:30 – Discussão

15:30 – 16:00 – Intervalo

16:00 – 17:30 – MESA REDONDA ONCOPLÁSTICA

16:00 – 16:15 | Caso 05 – Niple-sparing mastectomy e reconstrução: prevenindo complicações

  • Questão 1: Indicação, complicações e tipos de incisão
  • Questão 2: Melhores técnicas de reconstrução
  • Questão 3: Resultados e tratamento de complicações

16:15 – 16:30 | Caso 06 – Reconstrução mamária em mama irradiada: o que fazer

  • Questão 1: Tipo de mastectomia em mama irradiada: mastectomias poupadoras vs mastectomia radical
  • Questão 2: Técnicas de reconstrução para evitar complicações
  • Questão 3: Resultados

16:30 – 16:45 – Novas tecnologias e futuro da reconstrução mamária

  • Questão 1: Novos materiais
  • Questão 2: Tecnologias inovadoras
  • Questão 3: Perspectivas futuras

16:45 – 17:00 – Presente e perspectivas futuras da lipoenxertia mamária

  • Questão 1: Novos resultados
  • Questão 2: Engenharia celular
  • Questão 3: Perspectivas futuras

17:00 – 17:30 – Discussão

17:30 – ENCERRAMENTO DO CONGRESSO

07:50 – 08:00 – ABERTURA DO CONGRESSO

08:00 – 09:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | IMAGENOLOGIA MAMÁRIA

08:00 – 08:15 – Como rastrear a população de maior risco

  • Questão 1: Qual intervalo? Qual sequência de exames?
  • Questão 2: No cenário das mutações deletérias
  • Questão 3: No cenário das pacientes com antecedente pessoal de câncer de mama (mastectomia/Conservadora)

08:15 – 08:30 – Rastreamento mamário: devemos individualizar pelas características populacionais?

  • Questão 1: Influência da ancestralidade e condições geográficas na apresentação do câncer de mama
  • Questão 2: Impacto das características populacionais na apresentação tumoral
  • Questão 3: Aplicação prática desta informação na definição do modelo de rastreamento

08:30 – 08:45 – Papel das novas tecnologias no rastreamento mamário

  • Questão 1: Mamografia sintetizada pode substituir a digital( COMBO)?
  • Questão 2: Mamografia com contraste: qual seu papel no rastreamento?
  • Questão 3: RM abreviada: quais as vantagens? Em que situações pode ser realizada?

08:45 – 09:00 – Discussão

09:00 – 10:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | IMAGENOLOGIA MAMÁRIA

09:00 – 09:15 – Qual papel da RM no câncer de mama inicial?

  • Questão 1: Em que situações há indicação?
  • Questão 2: Quais as limitações atribuíveis ao realce de fundo?
  • Questão 3: Como minimizar os falsos positivos?

09:15 – 09:30 – Análise crítica dos achados de imagem da axila (MMG / US / RM / PET)

  • Questão 1: Importância dos achados de imagem na axila clinicamente negativa
  • Questão 2: Interpretação dos achados da axila pós tratamento sistêmico
  • Questão 3: Qual melhor abordagem diante de linfonodos suspeitos: PAAF x CORE x Não Biopsiar?

09:30 – 09:45 – Qual importância da densidade mamária na propedêutica?

  • Questão 1: Como pode comprometer a sensibilidade dos diferentes métodos diagnósticos
  • Questão 2: Como interpetrar seu impacto no laudo e manejar
  • Questão 3: Como escolher a mellhor estratégia de seguimento neste contexto

09:45 – 10:00 – Discussão

10:00 – 10:30  – Intervalo

10:30 – 11:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE ROCHE

11:00 – 12:00 – SESSÃO DE CASOS CLÍNICOS | COMO MANEJAR OS DESAFIOS DOS EXAMES DE IMAGEM

12:00 – 13:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE EINSTEIN

13:00 – 15:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | TRIPLO NEGATIVO – Apresentação Caso Clínico TN

13:00 – 13:15 – Classificando os tumores triplo negativos

  • Questão 1: Como reconhecer os diferentes subtipos pela biópsia?
  • Questão 2: Como os dados anatomopatológicos se correlacionam com resposta ao tratamento sistêmico?
  • Questão 3: Quais os marcadores prognósticos mais importantes? Papel dos receptores de androgênio?

13:15 – 13:30 – Mastectomia ou cirurgia conservadora nos tumores iniciais TN?

  • Questão 1: Impacto da idade nesta decisão
  • Questão 2: Impacto da presença de mutação deletéria na radicalidade cirúrgica
  • Questão 3: Deveríamos estender a indicação da radioterapia no TN?

13:30 – 13:45 –  Porque indicar neoadjuvância nos TN operáveis?

  • Questão 1: A partir de qual tamanho indicar neoadjuvância nos TN 1-2 cm?
  • Questão 2: PCR significado nos TN: OS e EFS?
  • Questão 3: Papel da Capecitabina pós cirurgia

13:45 – 14:15 – SIMPÓSIO SATÉLITE MSD

14:15 – 15:00 – Discussão do caso clínico apresentado

15:00 – 16:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE ONCOTYPE

16:00 – 16:30 – Intervalo

16:30 – 18:00 SESSÃO CIENTÍFICA | QUALIDADE DE VIDA E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA – Apresentação Caso Clínico

16:30 – 16:45 – Medidas comportamentais na redução do risco de câncer de mama

  • Questão 1: Evidências da atividade física como fator de proteção: quanto e qual modalidade protege
  • Questão 2: Importância do controle de peso: qual orientação ideal?
  • Questão 3: Alcool x câncer de mama: o que é permitido?

16:45 – 17:00 – TRH x câncer de mama: o que estamos falando em 2020?

  • Questão 1: Papel da reposição hormonal na incidência do câncer de mama (incluir bio-idênticos)
  • Questão 2: Papel da testosterona e impacto no aumento do risco
  • Questão 3: Papel dos contraceptivos hormonais

17:00 – 17:15 – Como manejar os sintomas urogenitais pós-tratamento do câncer de mama

  • Questão 1: Como devemos abordar?
  • Questão 2: Tratamento medicamentoso da atrofia vaginal: o que é permitido?
  • Questão 3: Papel do laser e novas terapias locais no tratamento da atrofia vaginal

17:15 – 18:00 – Discussão do caso apresentado

18:00 – 19:00 – PAINEL EXPERTS

APRESENTAÇÃO DE CASOS CLÍNICOS TRAZIDOS PELA PLATEIA

19:00 – 20:00 – CERIMÔNIA DE ABERTURA DO CONGRESSO

08:00 – 10:00 – SESSÃO CIENTÍFICA | GENÉTICA – Apresentação de Caso Clínico

08:00 – 08:15 – Teste genético em pacientes diagnosticadas com Câncer de Mama: o que precisamos saber?

  • Questão 1: Pra quem solicitar?
  • Questão 2: Qual teste solicitar? Quantos genes avaliar?
  • Questão 3: Impacto da decisão de testar sem aconselhamento genético prévio

08:15 – 08:30 – Como lidar com VUS e mutações não BRCA1/2?

  • Questão 1: Em que situações o VUS pode impactar na decisão do tratamento?
  • Questão 2: Em quais mutações não BRCA as cirurgias profiláticas estariam indicadas?
  • Questão 3: Como orientar os familiares das pacientes portadoras de mutação?

08:30 – 08:45 – Quando recomendar mastectomia redutora de risco?

  • Questão 1: No cenário das pacientes com mutação (incluindo as previamente tratadas com quadrantectomia +
    radioterapia)
  • Questão 2: No cenário alto risco sem mutação
  • Questão 3: Na mama contralateral

08:45 – 09:15 – SIMPÓSIO SATÉLITE MSD

09:15 – 10:00 – Discussão do caso clínico apresentado

10:00 – 10:30 – Intervalo

10:30 – 11:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE ROCHE

11:00 – 12:00 – SESSÃO DE CASOS CLÍNICOS | MANEJO DO CÂNCER DE MAMA INICIAL

Caso clínico: 51 anos, CDI mama HER2 pos 2,1 cm grau II, RH pos (forte expressão), LN neg
Caso clínico: 43 anos, pré-menopausa, CDI mama T1cN1, grau II, RH pos (forte expressão RE e RP), HER2 neg
Caso clínico: 56 anos CDI mama triplo negativo 2 cm, GN2, axila clinicamente negativa

12:00 – 13:00 – SIMPÓSIO SATÉLITE AGENDIA

13:00 – 14:30 – SESSÃO CIENTÍFICA | QUIMIOTERAPIA NEOADJUVANTE EM CÂNCER DE MAMA – Apresentação Caso Clínico

13:00 – 13:15 – Quando começar operando?

  • Questão 1: Quais as pacientes não se beneficiam da quimioterapia como tratamento primário?
  • Questão 2: Qual a importância do conhecimento do subtipo molecular?
  • Questão 3: Quando não operar tumores iniciais

13:15 – 13:30 – Manejo da axila pós quimioterapia neoadjuvante

  • Questão 1: Quais exames são necessários e em que intervalo (rotina do serviço do palestrante)
  • Questão 2: Estratégia para marcação do tumor na mama: como e em que momento?
  • Questão 3: Quando não fazer cirurgia conservadora?

13:30 – 13:45 – Como planejar a extensão da cirurgia pós quimioterapia?

  • Questão 1: Segurança Oncológica em Linfonodo Positivo: CLIP vs NOT CLIP
  • Questão 2: Manejo das micrometástase/ITC no anátomo-patologico final (congelação negativa): devemos sempre
    reabordar com nova cirurgia?
  • Questão 3: É seguro sem dupla marcação? Em situações com menos de 3 linfonodos marcados?

13:45 – 14:00 – Radioterapia pós neoadjuvância: podemos individualizar?

  • Questão 1: Como definir planejamento radioterápico: pelo estadiamento inicial ou pela patologia final?
  • Questão 2: No cenário de N1: quando a radioterapia pode substituir o esvaziamento axilar?
  • Questão 3: No cenário de escalonamento sistêmico (Capecitabina, imunoterapia, TDM1), como as novas drogas
    podem influenciar na indicação da radioterapia

14:00 – 14:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE LIBBS

14:30 – 15:00 – Discussão do caso apresentado

15:00 – 15:30 – Intervalo

15:30 – 16:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE ONCOCLÍNICA

16:30 – 18:00 – SESSÃO CIENTIFICA | SITUAÇÕES QUE DESAFIAM O MASTOLOGISTA – Apresentação de Caso Clínico

16:30 – 16:45 – Em quais situações devemos indicar radioterapia pós mastectomia

  • Questão 1: No cenário da NSM
  • Questão 2: Nos tumores N1 até 3 linfonodos comprometidos
  • Questão 3: Na presença de componente intraductal extenso

16:45 – 17:00 – Tratamento cirúrgico da recorrência local

  • Questão 1: No cenário da cirurgia conservadora: há espaço para nova quadrantectomia?
  • Questão 2: Quando abordar axila na recorrência na mama?
  • Questão 3: Há espaço para novo sentinela na recorrência pós mastectomia?

17:00 – 17:15 – Qual papel do tratamento sistêmico hormônio-quimioterápico nas recorrências locais?

  • Questão 1: Quando devemos fazer quimioterapia na recidiva local isolada?
  • Questão 2: Qual impacto dos diferentes subtipos moleculares?
  • Questão 3: A informação da cirurgia axilar impacta nesta decisão?

17:15 – 17:30 – Quando indicar radioterapia nas recorrências locais?

  • Questão 1: No cenário da mastectomia sem radioterapia prévia. Sempre
  • Questão 2: Nas cirurgias conservadoras, papel da re-radioterapia.
  • Questão 3: Qual papel das novas tecnologias na toxicidade da radioterapia? Quando é indispensável no tratamento da mama?

17:30 – 18:00 – Discussão do caso apresentado.

08:00 – 09:15 – SESSÃO CIENTÍFICA | PATOLOGIA BENIGNA

08:00 – 08:15 – Manejo da mastite crônica granulomatosa

  • Questão 1 Apresentação e diagnóstico diferencial
  • Questão 2: Tratamento
  • Questão 3: Seguimento e evolução

08:15 – 08:30 – Biópsias mamárias: identificando a melhor estratégia

  • Questão 1: Quando indicar biópsias em lesões provavelmente benignas (BIRADS 3)
  • Questão 2: Quando indicar: PAAF X CORE x Mamotomia x Biópsia excisional?
  • Questão 3: Manejo das lesões papilíferas

08:30 – 08:45 – Quando operar lesões de alto risco nas biópsias percutâneas

  • Questão 1: Quais são as lesões onde a discussão da cirurgia faz sentido e em quem não faz?
  • Questão 2: Quais as lesões de alto risco onde a excisão completa com biópsia a vácuo pode resolver?
  • Questão 3: Como identificar o risco de subestimação?

08:45 – 09:00 –  Manejo cirúrgico das lesões não palpáveis

  • Questão 1: Carvão x fio x Roll
  • Questão 2: Como planejar cirurgia melhorando obtenção de margem segura?
  • Questão 3: Melhor método para abordar lesões intraductais e microcalcificações suspeitas

09:00 – 09:15 – Discussão do caso apresentado

09:15 – 10:00 – CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE-ESCALONAMENTO DA CIRURGIA DA MAMA: O QUE DEVEMOS FAZER EM 2020 E O QUE AINDA ESTAMOS FAZENDO DEMAIS?

  • Questão 1: Omissão do EA na cirurgia primária pós cirurgia conservadora e mastectomia
  • Questão 2: EA pós quimioterapia neo-adjuvante
  • Questão 3: Extensão da cirurgia na mama: conservadora x mastectomia

09:45 – 10:00 – Discussão

10:00 – 10:30 – Intervalo

10:30 – 11:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE

11:30 – 12:30 – SESSÃO DE CASOS CLÍNICOS | DOENÇA BENIGNA

12:30 – 13:30 – SIMPÓSIO SATÉLITE

13:30 – 14:00 – TRABALHOS CIENTÍFICOS | MELHORES TRABALHOS – PREMIAÇÃO

14:00 – 15:30 – MESA REDONDA | ONCOPLÁSTICA: CIRURGIA CONSERVADORA E ONCOPLASTIA

14:00 – 14:15 | Caso 01 – Alternativa a mamoplastia: papel dos retalhos locorregionais

  • Questão 1: A mamoplastia oncologica sempre é necessária?
  • Questão 2: Quais as principais alternativas a mamoplastia oncologica
  • Questão 3: Resultados e videos curtos

14:15 – 14:30 | Caso 02 – Oncoplastica extrema: alternativas a mastectomia

  • Questão 1: Existe maneira de evitar mastectomia em lesões extensas
  • Questão 2: Seguro oncologicamente
  • Questão 3: Técnicas e vídeos curtos

14:30 – 14:45 | Caso 03 – Cirurgia conservadora e implante

  • Questão 1: É possível conservar o implante ou devemos trocá-lo?
  • Questão 2: Mamoplastia de aumento e cirurgia conservadora: quais resultados?
  • Questão 3: Resultados e relação com radioterapia

14:45 – 15:00 | Caso 04 – “Disarter of the masters”: evitando e tratando complicações em cirurgia oncoplastica conservadora

  • Questão 1: Casos de complicação em mamoplastias e retalhos locais
  • Questão 2: Como evitar as complicações
  • Questão 3: Tratamento das complicações

15:00 – 15:30 – Discussão

15:30 – 16:00 – Intervalo

16:00 – 17:30 – MESA REDONDA ONCOPLÁSTICA

16:00 – 16:15 | Caso 05 – Niple-sparing mastectomy e reconstrução: prevenindo complicações

  • Questão 1: Indicação, complicações e tipos de incisão
  • Questão 2: Melhores técnicas de reconstrução
  • Questão 3: Resultados e tratamento de complicações

16:15 – 16:30 | Caso 06 – Reconstrução mamária em mama irradiada: o que fazer

  • Questão 1: Tipo de mastectomia em mama irradiada: mastectomias poupadoras vs mastectomia radical
  • Questão 2: Técnicas de reconstrução para evitar complicações
  • Questão 3: Resultados

16:30 – 16:45 – Novas tecnologias e futuro da reconstrução mamária

  • Questão 1: Novos materiais
  • Questão 2: Tecnologias inovadoras
  • Questão 3: Perspectivas futuras

16:45 – 17:00 – Presente e perspectivas futuras da lipoenxertia mamária

  • Questão 1: Novos resultados
  • Questão 2: Engenharia celular
  • Questão 3: Perspectivas futuras

17:00 – 17:30 – Discussão

17:30 – ENCERRAMENTO DO CONGRESSO

Fechar Menu